Conscientização e combate à sepse

21/08/2019

     

A sepse é um conjunto de manifestações graves em todo o organismo, produzidas por uma infecção. A doença mata milhares de pessoas de todas as idades por ano, no País. O assunto é de relevância internacional para qualidade de vida da sociedade e desfecho clínico dos pacientes.

No Brasil, mais de 30% dos leitos de UTI são ocupados por pacientes sépticos, com 50% de mortalidade. A cada segundo, alguém morre de sepse no mundo. Desde 2005, o Instituto Latino Americano de Sepse (ILAS) computa dados de instituições brasileiras que registram pacientes com diagnóstico de sepse. Até 2018, 76.490 brasileiros foram incluídos na estatística. Somente em 2018, no País, 12.504 pacientes com sepse ou choque séptico foram cadastrados no banco de dados.

O reconhecimento precoce e tratamento adequado são essenciais para garantir a sobrevivência. Por isso, a SCBH criou, em 2013, o Time de Resposta Rápida “Código Amarelo” e que com frequência divulga informações sobre os sinais clínicos importantes a serem diagnosticados precocemente. Em 2018, na instituição, foram realizados 1415 atendimentos. Totalizando 5664 atendimentos desde sua criação em abril de 2013 até julho de 2019.

No mês de Setembro em que é lembrado o Dia Mundial da Sepse (13 de setembro), a equipe do “Código Amarelo” realiza diversas ações com foco na multiplicação de conhecimento e alerta para a detecção precoce e tratamento da doença. Em 2019 será realizado o 1º Simpósio de Sepse: Tempo é vida! O evento terá foco em equipes multiprofissionais de nível superior, visando os impactos assistenciais e a importância da atuação multiprofissional para prevenção e tratamento da doença.