Professoras têm alunos de pós-graduação premiados

09/11/2018

     
Dra. Maria Elena Perez Garcia e Dra. Renata Toscano Simões

A qualificação dos professores da instituição de ensino é um diferencial para os estudantes que buscam cursos de pós-graduação. Essa também é uma preocupação da Santa Casa BH Ensino e Pesquisa, que possui corpo docente preparado para oferecer o melhor para a carreira acadêmica e profissional de seus alunos.

Em 2018, as docentes pesquisadoras Dra. Maria Elena de Lima Perez Garcia e Dra. Renata Toscano Simões, do Mestrado e Doutorado em Medicina e Biomedicina da Santa Casa BH Ensino e Pesquisa, tiveram participações importantes em prêmios conquistados por alunas de Doutorado e Pós-Doutorado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Recém-admitida no corpo docente da Santa Casa BH Ensino e Pesquisa, a Dra. Maria Elena de Lima Perez Garcia teve papel importante na formação de vários alunos. Na UFMG, por exemplo, ela foi orientadora da tese de Doutorado da estudante Ana Cristina Nogueira Freitas, que recebeu o prêmio de melhor trabalho no Congresso Europeu de Toxinologia, realizado em setembro, na Armênia. “O trabalho dela envolveu um peptídeo sintético derivado de uma toxina do veneno da Phoneutria Nigriventer [aranha armadeira]. Essa substância tem um efeito analgésico potente e, em sua tese, Ana Cristina determinou como age esse peptídeo no organismo, por via periférica ou via central”, explica Dra. Maria Elena.

Outro importante reconhecimento conferido a uma estudante orientada pela Dra. Maria Elena foi o prêmio “UFMG Teses 2018”. A tese de Doutorado da aluna Carolina Nunes da Silva, foi considerada a melhor do Programa de Pós-graduação em Bioquímica e Imunologia da instituição de ensino federal. “O prêmio é atribuído a vários Departamentos da UFMG. O trabalho foi escolhido entre mais de 20 teses de Doutorado do Departamento de Bioquímica, defendidas em 2017. A tese da Carolina também se baseia em peptídeo sintético, tendo como modelo uma toxina da aranha armadeira. Porém, trata da ação da substância no combate à disfunção erétil”, explica.

O prêmio UFMG de Teses 2018 também foi conferido à estudante Istefani Luciene Dayse da Silva pelo Departamento de Patologia da UFMG, que teve como coorientadora a Dra. Renata Toscano Simões. “Istefani fez o Mestrado na Santa Casa BH Ensino e Pesquisa. Depois foi fazer o Doutorado na UFMG, continuando nossa linha de pesquisa em modelo murino de câncer de mama, sob a orientação do Dr. Ênio Ferreira, da UFMG”, enfatiza. Ainda segundo Dra. Renata, a pesquisa premiada de Istefani trata do estudo da molécula HLA-G, que tem funções imunossupressoras. “No câncer humano, as células que expressam essa molécula se tornam ‘invisíveis’ ao sistema imunológico, fazendo com que a doença avance. Entretanto, em modelo murino, observamos um efeito inverso, o que foi uma surpresa! Isso mostra que há ainda muito para ser investigado na imunologia do câncer”, explica.