Santa Casa BHSão LucasIEPFunerária Santa Casa BHCEMIGAP


Santa Casa BH é referência em transplantes no Brasil

07/04/2017

     
A Santa Casa BH tem um importante papel social no que se refere ao tratamento de alta complexidade para os usuários do Sistema Único de Saúde. Apesar do momento de crise nacional, o programa de transplantes se mantém em pleno funcionamento.

Considerado um dos maiores hospitais transplantadores de Minas Gerais e também um importante centro doador, a instituição oferece transplante de córnea, medula óssea, rim e fígado e realiza a captação de múltiplos órgãos para doação. Nos últimos 3 anos, a Santa Casa BH realizou 662 transplantes. No primeiro trimestre de 2017, já foram feitos 23 transplantes de medula óssea (42% do total realizado em 2016) e 5 transplantes de fígado (62% do total de 2016), além de 11 transplantes de rim e 19 de córnea.
 
Dos 6.742 hospitais brasileiros que atenderam ao SUS em 2014-2016, apenas 39 (0,58% do total) fizeram transplante de medula. A Santa Casa BH ocupa a 11º posição nesse grupo. Comportamento semelhante foi observado em relação ao transplante de fígado. Entre os 6.742 hospitais que atenderam aos usuários do SUS no mesmo período, apenas 50 deles (cerca de 0,74% do total) ofereceram transplante hepático, considerado um dos procedimentos médicos mais complexos da cirurgia moderna.
 
A instituição tem a proposta de ampliar o número e os tipos de atendimentos oferecidos. A expectativa para 2017 é iniciar a realização de transplante de medula óssea pediátrica, transplante cardíaco e implante de tecido ósseo. Merece destaque também a parceria firmada com o Sistema Nacional de Transplantes e o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME) para atender pacientes de estados que não oferecem ou que têm grande demanda desse serviço. Em março de 2017, o Hospital São Lucas - que pertence ao Grupo Santa Casa BH - foi credenciado para realizar transplante de córnea em pacientes atendidos pela saúde suplementar. 

O Centro de Transplantes da Santa Casa BH - localizado no 13º andar do hospital - possui moderna infraestrutura, tecnologia de última geração e equipe multiprofissional altamente especializada composta por médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas e dentistas, sendo que a equipe médica e de enfermagem mantém plantão físico de 24 horas.

Desde julho de 2016, o Centro de Transplantes conta com atendimento de hospital-dia e ambulatório. A unidade possui capacidade integral para realizar, em média, 350 consultas mensais e serviço de hospital-dia para atender intercorrências clínicas - reduzindo assim a necessidade de internação hospitalar - e 29 leitos destinados à internação. Conforme o protocolo da Santa Casa BH, o paciente na lista de espera, aquele que está aguardando transplante, é acompanhado periodicamente pela equipe médica no ambulatório até a data do procedimento.
 
Tradição
 
A Clínica de Olhos da Santa Casa BH é precursora no transplante de córnea em Minas Gerais: o primeiro procedimento foi realizado em 1973. Nesses 44 anos, o hospital se consolidou como um dos maiores prestadores de serviços de oftalmologia pública do Brasil. O Centro de Nefrologia da instituição - referência no Estado - contribui de maneira efetiva na realização do transplante renal. O primeiro transplante da unidade aconteceu em 1986. A Santa Casa BH é o único hospital estadual a atender pacientes pediátricos que necessitam de transplante renal. Em 2016, foram realizados 20 transplantes.
 
Ações sociais
 
Os esforços para redução da fila de transplantes são fundamentais em âmbito nacional. Neste cenário, a Santa Casa BH tem participado com a estruturação da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), que atua desde 2009 em todas as fases da captação de órgãos dentro da instituição e em conformidade com os requisitos legais e éticos da doação de órgãos, relacionados à elaboração e implantação de protocolos, abordagem de familiares e análise e avaliação de resultados.

Um dos pilares mais importantes do processo de captação de órgãos é a divulgação e o treinamento. Desde a reestruturação da CIHDOTT, já foram realizados diversos eventos durante a ‘Semana Nacional de Doação de Órgãos’. Ocorrem também, semanalmente, treinamentos para os profissionais da área assistencial e administrativa da instituição, alcançando 100% dos profissionais (cerca de 4.500 pessoas).

 
Atualmente, a equipe da CIHDOTT está inserida no DONORS - importante projeto nacional do Ministério da Saúde que consiste em treinar e mensurar os resultados alcançados para a manutenção dos pacientes com quadro de morte encefálica, objetivando uma maior efetividade na doação de múltiplos órgãos. Entre 2006 e 2009, a taxa efetiva de doação de múltiplos órgãos no hospital era de 4% dos pacientes elegíveis a doação. Entre 2012 e 2016, a Santa Casa conseguiu elevar este número para 35%. O crescimento foi expressivo também na doação de córneas entre 2012 e 2015. Neste período, foram contemplados 1.358 pacientes e, com isso, a redução da fila de transplantes de córnea no Estado chegou a quase zero.
 
O transplante de órgãos e todas as atividades relacionadas à realização deste procedimento têm um importante papel social para todos os pacientes que estão nas filas de espera por um órgão. A busca pela eficiência dos processos para alcançar um maior número de doações - e, consequentemente, o aumento dos transplantes - são objetivos da Santa Casa BH. Ciente de seu papel social, a instituição, que há 118 anos presta os melhores serviços para a população mineira, abraça essa importante causa.
 
Produtividade