Santa Casa
Santa Casa BH São Lucas SCBH Ensino e Pesquisa Funerária Santa Casa BH IGAP CEM


SCBH: um ano do primeiro transplante cardíaco

29/01/2020

     
A Santa Casa BH comemorou, em janeiro deste ano, o sucesso do seu primeiro transplante cardíaco. O procedimento devolveu a vida a José Valter Ferreira Nascimento, de 65 anos, que lutava contra a doença de chagas desde 2015. "Esse primeiro ano do transplante foi muito bom. Não tive nenhuma complicação. Agradeço a Deus e à equipe da Santa Casa BH por cuidarem tão bem de mim", ressalta o paciente. 
 
Realizando os exames de rotina depois do transplante, José Valter deixa um recado importante para que as famílias autorizem a doação de órgãos do ente querido que partiu. "Sempre procure doar, porque isso é muito bom e ajuda a salvar outras vidas, como a minha", finaliza.
 
O cardiologista Dr. Sílvio Amadeu Andrade, que participou da equipe que realizou o transplante em José Valter, lembra que o transplante cardíaco não é pago por nenhum plano de saúde. “Então, tanto pacientes do SUS, quanto de convênio ou particular, irão ter que recorrer à saúde pública para a realização desse procedimento que passa a ter outro grande centro transplantador no Estado para ser atendido, a Santa Casa BH”, explica. 
 
Dr. Sílvio conta ainda sobre como o hospital tem se destacado nesta área. “Começamos em janeiro do ano passado com o primeiro transplante que foi um sucesso e o paciente está muito bem. De lá para cá, a Santa Casa BH fez mais 15 transplantes e com resultados muito bons. No ano passado, a Santa Casa BH ficou no 9º lugar no ranking nacional de centros transplantadores. Nós estamos indo muito bem, uma vez que o programa dá bons resultados e atende uma demanda reprimida da sociedade que necessita desse tipo de procedimento", comenta.
 
Referência
 
Considerado o maior hospital transplantador de Minas Gerais, a SCBH realiza transplantes de fígado, rim, córnea, medula óssea, ossos e coração. Executa, também, a captação de múltiplos órgãos, coletas de medula óssea e células tronco para o banco do Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME). Em 2019, a instituição fez 32 transplantes de fígado, um aumento de 60% em relação ao ano anterior. Só em dezembro foram 10 procedimentos. 
 
Foram feitos também 111 transplantes de medula óssea, 59 de rim, 24 de ossos, 14 de coração e 110 de córnea. O hospital faz parte do “Projeto DONORS: Estratégias para otimizar a doação de órgãos no Brasil”, do  Ministério da Saúde. A iniciativa tem o objetivo de aumentar a taxa de sucesso das doações e a qualidade dos órgãos disponibilizados aos seus receptores.