Atualizado em: 08/01/2024 – 11:01:22

Em 2023, instituição realizou 355 procedimentos

O Brasil registrou um marco significativo na área de transplantes em 2023, com o número de doadores de órgãos alcançando o patamar mais elevado dos últimos dez anos, segundo dados do Ministério da Saúde. Entre janeiro e setembro do ano passado, foram contabilizados 3.060 doadores, representando um aumento notável de 17% em comparação com o mesmo período de 2022.

Essa ascensão resultou em 6.766 transplantes realizados ao longo dos nove primeiros meses de 2023, uma média mensal de 751 procedimentos. O estado de Minas Gerais destacou-se nesse cenário, vivenciando o melhor ano da sua história em doações de órgãos, conforme apontado pelo MG Transplantes.

Esse sucesso é atribuído, em grande parte, à redução da recusa familiar, evidenciando a importância da conscientização e apoio das famílias nesse processo. Além disso, no ano passado, quando o apresentador Fausto Silva precisou fazer um transplante de coração, a mobilização em torno do assunto, ajudou a conscientizar a população sobre a importância da doação e do transplante de órgãos.

Já em solo mineiro, mais de 2,2 mil transplantes foram realizados em 2023, sendo os rins os órgãos mais transplantados, totalizando 769 procedimentos. Esse feito contribui para a melhoria da qualidade de vida de diversos pacientes que aguardam por uma oportunidade de recomeço.

Nesse sentido, a Santa Casa BH Hospital de Alta Complexidade 100% SUS, considerado o maior centro transplantador de órgãos, tecidos e células de Minas Gerais, encerrou o ano de 2023 com excelentes resultados: a instituição realizou 355 transplantes, sendo: 92 rins, 44 fígados, 31 corações, 167 órgãos sólidos, 81 córneas e 107 transplantes de medula óssea.

Esse expressivo volume de procedimentos, se deve ao fato da instituição possuir uma Comissão Intra-Hospitalar para Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT). Esse grupo, que é composto por uma equipe multiprofissional de saúde, tem a finalidade de organizar, no âmbito do hospital, o processo de captação de órgãos e tecidos para transplantes, além de conscientizar progressivamente a comunidade sobre sua importância.

Outra curiosidade é que a Santa Casa BH possui, desde março do ano passado, o selo nível A de Transplantes, concedido pelo Ministério da Saúde. Essa certificação representa a qualificação máxima destinada aos hospitais brasileiros integrantes do Sistema Nacional de Transplante, reforçando o comprometimento da instituição com práticas de excelência e padrões elevados na promoção da doação de órgãos.

 

Salve Vidas

Mas, o que é preciso para ser doador de órgãos? Segundo o Ministério da Saúde, basta a autorização da família após o diagnóstico de morte encefálica. Ao contrário do que muita gente pensa, não é preciso deixar o desejo registrado em cartório, nem em documento algum.

Por isso, é muito importante formalizar com os seus familiares o desejo de ser um doador de órgãos, uma vez que um único doador pode salvar até dez vidas. Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista de espera que seguem critérios universais pré-estabelecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). A lista é única, organizada por estado ou região, e monitorada pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT).